Passo a passo para se destacar nas Redes Socias em 2018

Não é mais uma questão de estar sempre presente. É estar sempre lá quando necessário. :)

Fala a verdade. Estamos saturados!
É muito conteúdo! Somos bombardeados por todos os lados, o tempo inteiro. Não foi a toa a mudança de algoritmo em praticamente todas as plataformas sociais. 

A quantidade de informação aumentou tanto que a qualidade da experiência diminuiu. E para evitar o abandono, as redes começaram a restringir o alcance das páginas. Aquele conteúdo que não é relevante simplesmente não aparece mais. 

Para nós como consumidores isso é ótimo. Como criadores, sabemos não é o final do mundo mas que dificultou o nosso trabalho, dificultou. 

Desde os primórdios das redes sociais, muitas marcas adotaram o que chamamos de "always on" (sempre online). Consiste na criação e distribuição diária de material.  Essa estratégia normalmente é setada no topo do funil de vendas, aquele momento em que quanto mais a marca aparecer nos feeds dos consumidores, melhor. 

Com a mudança dos algoritmos, vieram alguns questionamentos: Afinal de contas, será que vale a pena investir tanto tempo e dinheiro para a produção de algo que poucas pessoas vão ver? Estou fazendo o certo? Será que essa mudança na rede não é sinal de que eu também devo alterar minha postura aqui dentro?

Pense no seu comportamento como consumidor de conteúdo: Pouca é a paciência para informações não solicitadas, não é verdade? Você não quer e não deixa que empurrem conteúdo guela abaixo.

Alô opção silenciar! ;P

No mundo ideal, você quer descobrir/ser impactado por conteúdos relevantes e, se rolar um amor, continuará leal àquela página. Isso significa que precisamos entregar o que as pessoas querem ver, quando elas quiserem ver, comunicar da maneira correta e publicar nas plataformas que elas querem utilizar. 

É aí que entra a mudança de raciocínio de always on (sempre online) para always there (sempre lá)Sabe aquele amigo que não cola o tempo todo mas que está sempre lá quando você precisar? É nesse nível de relacionamento que queremos chegar. 

Ao invés de apenas interromper a navegação do internauta com informação inútil, agora medimos esforços para produzir em menor quantidade mas com maior qualidade. "Perder tempo" fazendo aquilo que realmente agrada e traz resultado, sabe? 

O famoso conteúdo relevante/valioso. 

É teoricamente simples: entregue algo que ajude seu público de alguma forma (a aprender/conquistar algo, a se informar, a se entreter, etc) e assista-o procurando voluntariamente sua marca nas redes sociais.


Mas como chegar lá?
Existe sim, uma pequena receita de bolo para o sucesso nas redes sociais. Só que ela é váriável, cheia de detalhe, depende de dados, de feelings e de muito talento. 

1. Conhece-te a ti mesmo.
Antes de mais nada, conheça bem sua marca, defina uma personalidade e objetivos. Tê-los bem estruturados é o ponto de partida para uma estratégia eficaz. Sem passar por essa etapa você trava todas as outras. 

2. Depois, o consumidor.
Quanto mais informações você tiver, melhor. 
Algumas das coisas que considero mais importantes são:

Dados demográficos: Estou falando principalmente com homens ou mulheres? De qual faixa etária? Em qual região do país residem?
Trabalho: Com o que trabalham? Em qual período do dia/semana?
Conteúdo: Como ele consome conteúdo? Em quais plataformas?
Compras: Como são seus hábitos perante ao meu mercado?
E, principalmente, 
Dores: Quais são seus maiores desafios? Como posso ajudar a superá-los?


3. Defenda uma causa. 
Nada melhor como uma boa identificação para gerar engajamento. Defenda algo que não só os clientes mas principalmente sua marca acredite, que faça sentido para ela. 

E quando eu falo em causa, não digo necessariamente causas polêmicas. O importante é que seja genuína! O consumidor precisa perceber o propósito, a motivação e que a marca realmente investe naquilo que diz defender.

Por exemplo, o Fala Mais, RP! 

Propósito: Movimentar o mercado de RP no Rio Grande do Sul.
Motivação: Somos todas RPs, é importante para a gente que o nosso mercado seja valorizado. Mais genuíno que isso, impossível!
Investimento: O tempo que desprendi para desenvolver esse texto já é um investimento. Os eventos que fazemos, as pesquisas que realizamos, as horas de reunião de planejamento e tudo mais.

O resultado disso tudo são eventos sempre lotados, conexões importantes e um mercado aquecido (objetivo alcançado).

4. Crie conteúdo relevante. 
Agora que você já entendeu as dores do seu público, entregue as soluções. Se o conteúdo for relevante para o leitor, ele irá engajar organicamente. E se for bom mesmo, ainda recomenda para os amigos. 

5. Acerte o timing. 
Fale a coisa certa, no lugar certo, no momento certo, com o formato certo. Lembra daquele papo que tivemos ali em cima, sobre a saturação de conteúdo? 

Todas as marcas querem seu espaço ao algoritmo e a verdade é dura: Se você não aproveita a pré-ascensão de qualquer tema, corre o sério risco de abordá-lo no momento de saturação. Quando muita gente está falando a respeito, fica difícil de destacar em meio a tanta concorrência.


Fonte: BuzzSumo

A importância de se manter sempre bem informado fica ainda mais evidente aqui: aborde temas antes que os outros e saia na frente.

6. Vá logo ao ponto.
Não há mais espaço para enrolação. 

Recentemente participei de um treinamento do Facebook e uma das coisas que mais me chamou atenção foi um estudo sobre o consumo de conteúdo mobile na plataforma. Ele dividiu o dia em 3 momentos, que euzinha chamei de 70 - 20 - 10 porque procurei a fonte na internet e não achei. 

70% On The Go - ou seja, a gradíssima maioria dos acessos ao facebook é muito rápida, feita por pessoas que estão realizando outras tarefas ao mesmo tempo como entrando no ônibus, esperando elevador, na fila do banco, etc.

20% Lean Forward - aqueles acessos um pouco mais imersivos, mas ainda rápidos. Por exemplo: esperando o início de uma reunião, o amigo chegar no bar, parado no trânsito, etc.

10% Lean Back - como era feito o consumo de TV, por exemplo. Em momentos de relaxamento e descontração, em que a pessoa está totalmente imersa no conteúdo.

OU SEJA
90% do acesso ao facebook é realizado EM MOVIMENTO. 
Isso significa que temos um novo desafio: engajar de forma inteligente e RÁPIDA. 

Levando em consideração que estamos prestando cada vez menos atenção ao mesmo tempo que consumindo cada vez mais informação, se sua mensagem não é passada nos primeiros contatos com a peça, já era! Você perdeu sua oportunidade conversa.


Se o seu conteúdo for em vídeo, por exemplo, tenha certeza de que a mensagem principal está sendo passada nos primeiros segundos. Contar toda uma história e assinar apenas no final da peça é muuuuuuuuuito da época das cavernas - ops, da TV! Dificilmente esse formato vai funciona nas redes sociais. 

Por isso que replicar conteúdo offline nas redes sociais não é fazer conteúdo digital. 



7. Não seja invasivo. 
Caso contrário, seu público irá debandar. Se até o facebook está “deixando de ser invasivo” quem é você para insistir? Não seja apenas uma informação forçada no scrolling de ninguém. 

Sabe aquela frase do Mario Quintana: “Não corra atrás das borboletas, cuide de seu jardim para que elas venham até você”? É por aí a vibe. 

8. Avalie e ajuste. 
Achou uma estratégia que funciona? Continue com ela.
Não funcionou? Ajuste e segue o baile.

Analise seus passos e entenda onde pode melhorar. Uma das grandes vantagens do trabalho nas redes sociais é poder consertar nossos erros enquanto ainda estamos cometendo. Assim conseguimos amenizar os efeitos e até transformá-los em algo positivo. 

9. Converse!  
Se não houver engajamento nas suas publicações, elas nem serão entregues ao consumidor. Só isso já é motivo de sobra para conversar, né? Além do mais, as redes são portas  diretas para a vida do cliente. Aproveite! Faça parte dela! Entre no papo! Impacte as pessoas positivamente! :)

Se a gente se organizar direitinho dá até para mudar o mundo. Quem dirá o engajamento de uma página!

Comentários