Afinal, é Assessoria de Imprensa ou Comunicação Corporativa que chama?



A chamada mesmo é para os RPs Assessores, que trabalham com Comunicação Corporativa e aqueles que curtem essa área de nossa multi profissão!

Depois da primeiro post dessa nova fase do FMRP, dispenso grandes apresentações. Mas antes de ir direto ao assunto, quero lembrar com vocês que eu, Alice, tô no FMRP desde 2015, e neste mesmo ano, entrei na Fatto Comunicação - onde trabalho até hoje. Esses três anos foram mundos de aprendizado sobre a profissão, assessoria e tudo que ainda vamos falar aqui. 

E se já no texto anterior falamos em atualizar, repensar formatos antigos, nesta mesma onda vou falar sobre Assessoria de Imprensa. Na realidade, não só sobre isso, mas sobre o trabalho hoje de uma agência de Comunicação Corporativa (assim, amplo como o mercado da comunicação exige que a gente seja, multidiscliplinar, multi-tarefas, multi-desafios!). Caramba que momento para viver tudo isso!

Encontro da Abracom em POA
Minha inspiração surgiu de um encontro da Abracom - Associação Brasileira das Agências de Comunicação, que pude participar na última semana em Porto Alegre. Neste evento, aprendi mais um pouco sobre o mercado em transição, a valorização do RP e as inúmeras possibilidades de expandir o trabalho das tradicionais - e não mais suficientes - Assessorias de Imprensa. Falo aqui daquele que nos enche de orgulho, o querido “Piár”, como minha diretora brinca, e que tanto emociona quem está escolhendo o curso do gestor da comunicação. 

Para mim, o grande destaque daquele encontro foi a palestra “Comunicação Corporativa no Brasil e no Mundo”, da Renata Saraiva - diretora-geral da Ogilvy (Public Relations). Entre outros pontos, quero comentar do tal “PESO”: Paid (paga), Earned (conquistada), Shared (compartilhada), Owned (própria). Criado por Gini Dietrich, o modelo não é novo (eu ainda não conhecia), mas é impressionante como se encaixa nas maneiras de compreender as novas possibilidades das relações públicas e os tipos de mídias que o RP pode trabalhar numa agência de Comunicação Corporativa, muito além da tradicional AI. 
PESO Model


O P, de Paid, ou seja, mídia paga, refere-se ao Plano de mídia digital com conteúdos patrocinados no Google, Facebook, LinkedIn, Instagram; Publicidade institucional; Marketing de influência com influenciadores digitais pagos e o enigmático Branded Content - que pode ser tanto no formato publieditorial ou native ads. 

E daí vão me dizer, onde está o trabalho do assessor aqui? Trabalhamos com mídia espontânea. Então, isso era antes, na Assessoria de Imprensa tradicional. Agora, estamos falando de novos modelos. Faz pouco que comecei a me provocar sobre isso, por que não sugerir ao cliente um publieditorial e construir junto com o veículo a pauta bem como imaginamos? Claro que sim.

Nosso negócio é produzir conteúdo das marcas em formato notícia. E é isso que o Branded Content faz.

Neste tópico, como citei ali, também entram os trabalhos com influenciadores digitais pagos. Aqui, recortes de um dos trabalhos que participei, com influenciadoras da área de arquitetura e decoração, que divulgaram lançamentos do nosso cliente em uma feira do setor, em SP. Um mercado em constante movimento e aposta de muitas marcas para divulgação certeira para público específico.


Com Arquiteta Marília Zimmermann, Chris Campos e Lucila Turqueto


O E, Earned, de mídia conquistada, é onde está a assessoria de imprensa em si: o trabalho conquistado por meio do tradicional relacionamento on e offline com os veículos e jornalistas, que gera mídia espontânea ao cliente. Além disso, aqui estão as relações com influenciadores digitais não pagos (tá aí aquele pedido a mais pra criatividade) e as ações e ativações de RP.

Abaixo, vocês conferem algumas pessoas TOPs que já tive o prazer de conhecer em ações de mídia conquistada pela Fatto Comunicação para clientes como Iguatemi e Tramontina, como a Bela Gil, Chef Raíssa Ribeiro e a Micaela Gòes.


Trago também o exemplo de uma ação recente que fizemos na agência. Nós trouxemos 25 influenciadores e jornalistas da região sul e sudeste para conhecerem uma das fábricas da Tramontina, nosso cliente. Foram mais de 720 publicações entre stories e posts conquistados, que somam 14.846 curtidas e 759 comentários. Neste caso, nós não pagamos pela mídia, mas oferecemos uma experiência de marca que valia a pena a postagem aos formadores de opinião.




O S, de Shared, a mídia compartilhada, é também conhecida como mídia social. É o forte canal de comunicação direto com o consumidor, que além de promover campanhas de RP, serve como ferramenta de apoio para outras áreas. Por exemplo, uma ação de mídia conquistada (a querida presença na imprensa e blogs), por exemplo, gera conteúdo para as mídias sociais, a mídia compartilhada.


E, por fim, o O, de Owned, mídia própria, ou seja, a mídia que é totalmente controlada pelo emissor. O site da empresa e todo o conteúdo criado para o próprio cliente em suas plataformas, além dos materiais de comunicação interna são exemplos. 

Depois de entender mais sobre tudo isso, imagina como eu saí de lá: querendo colocar tudo em prática e também compartilhar todo esse conteúdo.

Em resumo: não rola mais nomear apenas assessoria de imprensa o que nós, RPs em agências de comunicação corporativa desenvolvemos para nossos clientes e seus mais variados públicos. A imprensa é apenas um públicos e canais possíveis para trabalharmos positivamente a imagem de nossos assessorados. E com o boom das redes, compartilhamentos e novas formas de comunicar, é bora pra frente e explorar! Assim como a Comunicação Corporativa é um pedaço do que é RP, a Assessoria de Imprensa também é uma parte do que desenvolve a Comunicação Corporativa. 

Como a Ana já tinha alertado em nosso manifesto, a causa RP ainda não está ganha. E aqui entramos nós acompanhando esse constante movimento e colocando a mão na massa para arriscar, desafiar, tornar mais relevante e mostrar pro mundo tudo o que somos e podemos ser!

E eu, mesmo que na mesma empresa por quase três anos, percebo cada dia algo novo. Afinal, esse movimento constante, nos abre tantas portas para trabalhar diferente, que fica mesmo difícil de enjoar. É hora de olhar pra tudo e mostrar pra que tu, RP, chegou até aqui, ou melhor, aonde ainda quer chegar. Sabendo ou não a resposta, tá na hora de começar - #RPnaPrática!

Como vou planificar o modelo PESO conforme minha realidade e clientes? Quais os principais conteúdos vou trabalhar em cada tipo de mídia? Que tipos de influenciadores vou mapear conforme o que faz sentido para as marcas que trabalho e depois, como vou conquistar posts sem precisar necessariamente pagar por eles? O que seria importante hoje para meu cliente aparecer na mídia e como posso transformar em um publieditorial que chame realmente a atenção do público?  

Pra terminar, aquele clichê básico, mas que tanto ensina e faz sair da caixa: a multifuncionalidade do bom profissional. E cada vez mais, a multiplicidade de movimentos de comunicação corporativa, aprimorando até mesmo a tão tradicional assessoria de imprensa.

Beezo, meu e da Maluá 💜














VOCÊ PEDIU RP, @?

Nossa missão continua sendo, e sempre será, movimentar o mercado de Relações Públicas. Agora fazemos isso valorizando nossas trajetórias individuais e entregando ao público conteúdo útil e relevante sobre o que vivemos na pele, dia após dia, há anos: o RP na prática




Marketing Digital, Assessoria de Imprensa/Comunicação e Relacionamento serão as áreas que vamos abordar com propriedade e contar como fazemos na prática, na vida real mesmo, e como você também pode fazer. Outras áreas serão abordadas por convidados especialistas. Novidades e referências também serão vistas e, eventualmente, queridos eventos pelo Brasil.

-Ei você! Obrigada por acompanhar, viu? Quem leu até aqui e vive essa história com a gente já mora no meu coração. Os próximos capítulos você curte no nosso facebookinstagram e aqui no blog. Conteúdo semanal inédito e feito com muito carinho pra você colocar em prática amanhã. Espero que goste! 💜

Comentários