FMRP na Academia!

Na última semana, recebemos uma notícia maravilhosa e que nos encheu de orgulho, fomos citadas no artigo "Representações e identidade do profissional de Relações Públicas na rede social Facebook: as tensões, 100 anos depois" do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (PPGCOM) da UFRGS. O objetivo do artigo era verificar as tensões dialógicas e suas repercussões na constituição da identidade profissional.
Para atingir o objetivo, os autores selecionaram o FMRP como uma das páginas da área de Relações Públicas a serem analisadas. Buscando responder quais eram as tensões nas representações sobre as práticas do profissional de Relações Públicas, entre os seguidores (profissionais de Relações Públicas, estudantes e simpatizantes), durante o período de 1º de agosto de 2015 a 24 de dezembro de 2015, incluindo aí o Dia Nacional das Relações Públicas no Brasil, 2 de dezembro, em que ocorreram diversas manifestações.
A partir da análise do material publicado, eles observaram a formação de três categorias, eixos temáticos ancorando as representações sociais sobre a profissão: a) Reconhecimento da profissão de Relações Públicas no Brasil; b) As redes sociais e o profissional de Relações Públicas e c) “Crise” de identidade na profissão de Relações Públicas. As quais foram caracterizadas, considerando as imagens e os textos postados que fazem referência aos atributos dos profissionais de Relações Públicas no Facebook.

O reconhecimento da profissão de Relações Públicas no Brasil
Fomos citadas pelo reconhecimento da profissão na postagem de Dia Nacional das Relações Públicas no Brasil, na qual nossos seguidores enalteceram o amor pela profissão, conforme mostra a imagem abaixo:

lk.JPG
Fonte: Artigo Representações e identidade do profissional de Relações Públicas na rede social Facebook: as tensões, 100 anos depois

E no final
Com o estudo, os autores perceberam que as tensões nas representações do relações-públicas sobre sua prática profissional configuram themata – conceito que valoriza as reflexões sobre temas que pré-existem num “ambiente” sociocultural específico. Assim considerando, tornou-se “senso comum” desta profissão, ausências de prestígio profissional, o que está “enraizado” nas relações internas. O engajamento da categoria profissional nessa rede, ao buscar a “gênese” das representações, configurou nas tensões dialógicas a themata entre a formação acadêmica e posterior aplicação desse universo de conhecimentos no mercado de trabalho.
E, na sequência, conformou a “crise” de identidade, com o questionamento do papel do conselho de classe. Ao retomar a indagação inicial - analisar como as tensões nas representações sobre a profissão de Relações Públicas repercutem na construção identitária deste profissional - verificamos que as páginas analisadas do Facebook se constituem em  um lugar de mediação. Os membros da categoria, ao compartilharem suas representações, elaboraram um guia de ação do grupo sobre suas práticas profissionais. Entendemos que a continuidade de pesquisas nesta temática para aprofundar estudos acerca destas representações sociais e da identidade profissional dos relações-públicas é necessária. A incessante elaboração de “universos consensuais” requer investigações renovadas, que auxiliem na compreensão histórica da formação da categoria, que há pouco mais de 100 anos, iniciou as atividades no Brasil.
Para ler o artigo completo, clique aqui


Autores
Maria Inês Möllmann
Aluna especial do PPGCOM da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação – UFRGS. Graduada em Relações Públicas e Jornalismo e Especialista em Marketing pela PUCRS, Professora Universitária.

Pâmela da Silva Pochmann
Aluna especial do PPGCOM da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação – UFRGS, graduada em Relações Públicas pela Universidade Feevale.

Valdir José Morigi
Professor doutor do PPGCOM da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação – UFRGS.

Comentários